O que é o Movimento Slow?

 

O Movimento slow preconiza que vivamos no ritmo adequado para o bem-estar e desenvolvimento pessoal, social, comunitário e ambiental.

O Movimento Slow é um Movimento Internacional, que teve a sua génese no Movimento Slow Food, em 1986, em Itália, e que contrariava os valores e a cultura associadas ao fastfood massificado e impessoal e que depois se especificou também no conceito e selo de qualidade ‘slow cities’ cidades pequenas e com qualidade de vida. Essa tendência tem vindo paulatinamente a espalhar-se pela Europa e pelo Mundo, alargando-se a outras áreas acção: saúde, crianças e educação, turismo, preservação do património e das tradições, relacionamentos, conciliação da vida pessoal e profissional, lazer, vida familiar, etc. (slow Travel, Schools, Cities, FamilyLiving, Medicine, Slow Design, etc.). O Slow Movement é uma corrente mundial e contemporânea assente numa filosofia de vida que desafia a cultura da velocidade, do excesso e da quantidade sobre a qualidade. No mundo actual, frenético da pressa e da sobrecarga, essa filosofia defende que tentemos viver no ritmo certo, privilegiando a qualidade, o equilíbrio e o bem - estar nas diferentes áreas da vida. As suas manifestações inserem-se sempre numa lógica de desenvolvimento sustentável e solidário dinamizado pelas comunidades locais, e em articulação com o movimento de globalização que hoje vivemos (como complemento). Não é objectivo do slow movement ir contra o que tem sido conquistado até ao momento presente e existe um reconhecimento das importantes virtudes do mundo ocidental nas conquistas e vitórias em batalhas pelos direitos humanos, equidade e qualidade de vida, porém, o Movimento Slow surge como a expressão de um modelo alternativo perante as dificuldades do mundo actual e do actual modelo de desenvolvimento. Essas dificuldades são bem visíveis nas assimetrias e desequilíbrios que vivemos quer no Norte, quer no Sul do mundo.

O Movimento Slow é um conceito atual e humanista a aguardar novas formas de aplicação prática e é uma tendência crescente em todo o mundo sendo muito pertinente na atual conjuntura social e económica. Os adeptos do movimento slow não encaixam num perfil único mas identificam-se com os seus princípios e com a ideia geral de que é necessário abrandar e dar mais valor ao essencial, à qualidade e ao que realmente é importante e só numa sociedade que não seja demasiado rápida e excessiva se consegue esse aprofundamento, qualidade e significado, quer seja no mundo do trabalho, nas relações pessoais, nos hábitos de consumo ou na forma de viver os territórios e as comunidades.

 

Viver num ritmo slow é procurar viver num ritmo equilibrado que seja bom para o corpo e bom para a mente (saúde), bom para os relacionamentos, para as sociedades e comunidades (desenvolvimento pessoal, social e local), e para o planeta (ambiente, sustentabilidade), é um modelo de equilíbrio para viver melhor sabendo quando é necessário abrandar ou acelerar não deixando que o abrandamento se torne estagnação, nem deixando que a aceleração se torne maníaca. Trata-se de defender a vivência de um tempo com maior qualidade para nós próprios, para os ‘nossos ‘ (família, amigos, vizinhos) e para os outros (iniciativas de solidariedade, humanitárias, de acção social, etc.), com permanente preocupação de incentivar lógicas de desenvolvimento sustentável.

 

A ONG Slow Portugal, nasce com o intuíto de preencher um lugar ainda não ocupado no panorama nacional, acompanhando uma tendência que se intensifica e dissemina internacionalmente tanto de maneira formal como informal e espontaneamente. Pretende div

ulgar, ser um ponto de encontro e partilha e fortalecer diferentes iniciativas identificadas com a atitude slow, já existentes ou a criar por forma a dar-lhes visibilidade coerência e impacto.Consideramos que faz todo o sentido uma organização no âmbito do movimento slow pois este defende estilos de vida baseados na simplicidade, sustentabilidade, solidariedade e qualidade muito pertinentes nos nossos dias. Em resumo, o Movimento Slow é um movimento internacional que a ONG Slow Portugal traz para o nosso país e que visa no essencial promover uma utilização do Tempo com maior qualidade, privilegiando esta em detrimento da quantidade e visando combater a pobreza e as desigualdades de tempo.

 

Os valores que defende passam:

 

 - Pela valorização de um desenvolvimento durável e sustentável ao invés de um crescimento de desgaste rápido.

- Pelo respeito pelas diferentes diversidades, biodiversidades e diversidades ambientais, locais, culturais e individuais.

- Pela proximidade e pela humanização, pelo cuidado e atenção personalizada e flexível por oposição à produção em série, à impessoalidade e desumanização.

- Pela qualidade ao invés da quantidade; em vez de mais, melhor.

- Pelo respeito pelos ritmos naturais, pessoais e sociais

- Pela conciliação e integração das diferentes áreas de vida (educação, saúde, relacionamentos, família, trabalho, lazer) numa perspectiva multidimensional e holística.

- Pelo equilíbrio e moderação entre os extremos e os excessos de forma a minimizar as assimetrias e os fundamentalismos.

- Pelo bem-estar e pela realização do potencial do indivíduo, do território e da comunidade.

- Pela valorização da simplicidade voluntária e uso responsável dos recursos materiais.

 

Em 2009 um grupo de pessoas com experiência no associativismo, gestão e avaliação de projectos de intervenção comunitária e educação ao longo da vida, resolveu levar à prática a filosofia do Movimento Slow criando a Associação

 

‘Slow Movement Portugal’.

 

Webnode